3 de ago de 2011

Póstumo

Minhas lembranças de você são tão doces e afáveis
Como tarde que cai,
Como bolo de fubá da Vovó,
Como criança que brinca de pé no chão.
Assim fomos nós
Criados sem governo, sem pais, sem limites
Mas com respeito mútuo e uma sensação de unidade
Você não morreu, eu sei que não
Você não é pessoa
Você não é
Você é a rua, a avenida
A loucura e a alegria.
Toda essa crueldade vomitada
Na sua pele suave
Na sua pele alada
Tudo isso é mentira, eu sei
Você é alma
E se o seu sorriso foi capaz de me curar
Sei que há esperança
Mesmo que tudo isso seja verdade
O seu amor te libertou. Vai, vai com a luz, com os anjos, com o bem e com o perdão...
Vai em paz

2 comentários:

  1. Nem tenho o que falar, então vou soltar um palavrão, igual aquela musica, lembra? - "Eu não tenho nada pra dizer, também não tenho nada pra fazer, e só pra garantir esse refrão, eu vou mandar um palavrão: CÚ" - auheuaeha, mas então, lá vai ele: o blog ficou muito foda!! o/

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Corvus! Vindo de vc, posso me orgulhar!Então aproveita e segue o blog, néam?!? ajuda aeeee os irmão! \o

    ResponderExcluir

Éam?!?