3 de ago de 2011

Las Margaritas

Sem a força das águas, sem a volúpia das correntes;
Sem a brevidade das paixões, sem a mácula do tempo...
 

Tuas palavras corriam pela boca como o mel que escorre das flores;
Mas os teus olhos ingênuos mostravam ver algo que não se pode mensurar, que não se pode entender, muito menos explicar.
As tuas mãos deslizavam pelo meu corpo como o toque à seda pura;
Mas os teus abraços revelavam um amor enclausurado pela diferença e insegurança.

Os teus beijos se enredaram por completo aos meus.
Como algo que se espera há tanto tempo que adormece o desejo;
Como alguém que submergiu em tristeza por medo de imprevistos.  

Você comprometeu lentamente todas as minhas resistências... 
As lembranças de você me levam além dos suspiros e noites mal dormidas; me enches os olhos e vejo tua alma.

"E se for amor, os quilômetros que nos separam não me impedirão de te reencontrar", disse.
"Mas tudo ficou tão claro, como um intervalo na escuridão", disse o rádio, transformando a dor em uma paralela que, por enquanto, não pretende cruzar o caminho...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Éam?!?