16 de set de 2016

Sobre a brevidade da intuição e o árduo e incessante caminho até a completa mediocridade

Ich bin der Ungelebte Traum
Ich bin die Sehnsucht, die dich Jagt
Ich bin der Schmerz zwischen deinen Beinen
Ich bin der Schrei in deinem Kopf
Ich bin das Schweigen, die Angst deiner Seele
Ich bin die Lüge, der Verlust deiner Würde
Ich bin die Ohnmacht, die Wut deines Herzenes
Ich bin das Licht, zu dem du einst wirst
So schnell du auch fliehst
So weit du auch kommst
Trägst du mich mit dir

Eu sempre soube das possibilidades de ser que eu tinha. Mas eu sempre fui uma pilantra. Pilantra porque eu queria tomar proveito de todo os lados, ao mesmo tempo. Eu me esticava cada vez mais para as extremidades. Eu fui cada vez mais longe, pra explorar minhas periferias. Isso porque eu adorava transitar, competência diplomática que meus pais e pares, até determinado momento da vida, nunca tiveram. Mas eu nunca tive coragem de romper com um dos lados. Quando a coisa ameaçava entornar, eu contornava. Eu sempre fui covarde. 
Mas uma virtude me norteava. Uma certa bondade, um desejo cego e obstinado de salvar alguém. Uma perseverança de mão dada com um tanto de longanimidade. Um pecado a si mesmo, coberto de serpentina gospel. 
E não bastava dar o lanche novinho, recém comprado pro mendigo. Tinha que ser algo maior. Tão grande e majestoso quanto a minha habilidade em teorizar a vida. O que melhor que meu amor, minha dedicação, minha juventude e idiotice? 
O mais engraçado é que quanto mais fundo eu descia nessa piração, mais abstrusas e entranhadas tinham que ser as experiências que eu chamo de "válvula de escape": volúpia, vaidade, viagens astrais e outros perigos. 
Ainda não sei o quanto disso reforçou minha bipolaridade ou o contrário. 
Eu só sei, hoje em dia, que tanta negação a si mesma e tanta aceitação pro outro cristalizou meu coração com uma alquimia demoníaca de xilocaína e morfina. Eu não sei mais diferenciar feridas, dosar sentimentos. Eu me causei uma lobotomia emocional!
Deve ser por isso que eu te procuro. A calmaria do teu olhar não poderia me causar maior dor. E dor, apesar de ser velha conhecida, nunca é confundida. Ela é rainha do passado no presente. É matrona dos sentidos, das ausências. Ela põe a loucura pra fora na vassourada, só pra te fazer sentir cada gota de sua deliciosa presença, no frio, sem dó.

(Sabrina, 2013)





*Este texto foi escrito por um leitor do blog Torre no Porão. Sabrina é um pseudônimo.

 Se você também deseja publicar, envie seu texto para tabs.bolachas@gmail.com  

30 de ago de 2016

Dark Forest

Teu coração, confiado no meu esconderijo
Guardado sob aquela velha canção
Caminho em densa mata, não me aflijo
Meus pés afundam em mangue, meus olhos escuridão

Eu sou Perséfone, em primavera e inverno
Eu vou sem fio de Ariadne para voltar
Eu tenho Oxum e Exumarê, nos rios adentro
Eu moro Olimpo e Hades, ninguém me pode auscultar

As flechas partem ágeis como serpentes voadoras
Ascendem escudos de ipês e baobás 

A solidão, presença inóspita, enorme e densa
Traço o círculo: Ceridwen vem me visitar


Eu sou Perséfone, em primavera e inverno
Eu vou sem fio de Ariadne para voltar
Eu tenho Oxum e Exumarê, nos rios adentro
Eu moro Olimpo e Hades, ninguém me pode auscultar

A melodia das mulheres ouço distante
O ruído do tear na cadência dos meus passos
Montanhas e vales, espalhados, amantes
É Beltane, dança, fogo, e eu regresso



Michelle Izzard Fine Art

This post is more than words and an illustration. This post was a joint effort of people connected through cyberspace and that finalized its art inspired by a matristic breath.
 Merry meet, Michelle

A gallery of Michelle's work can be found here: 
http://www.outsidein.org.uk/Michelle-Izzard and Facebook: https://www.facebook.com/michelleizzardfineart/

15 de nov de 2015

I'll be what I am

Passando o tempo, foi possível perceber o quanto me perdi.
Enquanto faziam jogos sujos pelas minhas costas.
Eu me sentia cada vez mais assustado com o tamanho desta sombra ao meu lado.
Lembro-me de enxergar assim, tão distante de mim.
Hoje acordo na certeza sem fim que estavam contra mim.
Eu serei o que sou, com meus erros e acertos. Pois eu me importo pra mim.

Será mais fácil enxergar assim, nada mais será contra mim.
Foi difícil encontrar uma razão, noites de jogos e escuridão.
Quando olhei para céu, não encontrei nada; 
estava sem brilho, tamanha imensidão.
Acredite... Queira você, sim ou não:
Não havia estrelas no céu, me tornava invisível na multidão.

De tanto tomar Gyn, me deitei no chão e fiquei nessa escuridão.
Mas agora nada será contra mim, me sentia assim.
Não havia guardas, muralhas e escorpiões.
Os portões dos porões não se fechavam, nada mais era contra mim,
quando cruzei a fronteira da razão enlouquecido da inquietação.

Levantei-me do chão, não haverá escuridão, nada queria enxergar.
Poderia assim encontrar uma razão.
Eu serei o que sou até o amanhecer.
Vou voltar a ver o que quer que seja... eu não procurei, nem fui encontrar.
Sou a sombra da luz que vem brilhar.
O botão da bomba fatal, fiz deste inferno meu quintal.
Vivo na dor de quem nunca sentiu, no espaço de alguém que nunca ocupou.
Sei que serei assim, o que sempre quis: uma sombra na escuridão, invisível à multidão.

(Lobo, 2015)


*Este poema foi escrito por um leitor do blog Torre no Porão. Lobo é um pseudônimo.

Se você também deseja publicar, envie seu texto para tabs.bolachas@gmail.com. 

17 de ago de 2015

σοφία ‎

Recosto você em meus braços e o sono rapidamente me transporta do teu lado. Não tenho tempo de experimentar a sensação de culpa, quando encaro com surpresa meu antigo quarto. Vejo sua pele se amalgamar à minha. Caminho segura naqueles conhecidos passos, mas experimentando um estranho ineditismo. Na verdade, reconheço com clareza aguda sua velha presença: no pôster atrás da porta, na vista do Banespa pela janela, no som metálico dos trilhos do trem. 
Você era o batom vermelho do sábado e as polainas de lã do domingo. Na apreensão do carona da moto, na mala feita. Você era o cinema da quarta-feira. Estava lá, no portão fechando, no borrão das árvores na estrada. Você era a lágrima de saudades da minha vó. A parede de tijolo, o cômodo vazio e o fio de luz do sol que insistia em assistir nosso sono. Você era o amor feito de madrugada e cada laranja cortada pro Heitor. 
Aos poucos você se tornou o conjunto de estrias na minha barriga, a dor nos seios e uma alegria imediata quando se mexia. Você foi aquele medo de perder o que eu sequer tinha, e as inúmeras leituras no metrô enquanto eu encenava que tudo corria bem. Você é aquele grito que irrompe de madrugada e a cada dia que passa você se descola de mim pra ser esse amanhã desconhecido. 
Eu só sei que você tem esse sorriso que dissipa o meu cansaço. Não tem nada que eu te diria, a não ser que eu adoro seu nome.