14/11/2014

Līberālitātis

O feriadão do nosso lance está na estrada -
Bato as mãos na janela e vejo a areia se desprender.
Na mala, as roupas de praia,
Mãos fechadas, braços cruzados a se defender.

Te tiro para dançar, um bolero bem justinho
Olhar no olho esquerdo, coração de azevinho.

Os brilhos do paetê te refletem e eu rio dessa tua pose,
Mas a noite de Perséfone me pesa sobre a fronte.

Então me visto Caetano e Gal,
eu não procuro mais o teu aval.
Apenas uso meu sorriso bronze.






13/11/2014

A pampa dos meus dias

Relatos apontam “cultura machista” dentro da instituição e a pressão para que vítimas não denunciem os casos de violações 

A culpa é da vítima
Corrêa, que era titular da 1ª Vara da Comarca de Búzios, estava sem a CNH (Carteira Nacional de Habilitação), conduzia um carro sem placa e estava sem os documentos do veículo quando foi parado. Ele acusou uma das agentes da operação de desacato ao ser informado que o carro seria removido para o depósito. 


"Herdei um campo onde o patrão é rei 
Tendo poderes sobre o pão e as águas
Onde esquecido vive o peão sem leis
De pés descalços cabresteando mágoas 
(...)
Onde a ganância anda de rédeas soltas 
(...)
Eu não quero deixar pro meu filho
A pampa pobre que herdei de meu pai" 

08/10/2014

Alguns versos de sofreguidão

Como aprendiz do teu amor e carente da tua presença, 
me sinto abrigada por tuas palavras; 
e como objeto de sua devoção, sinto constrangimento e esperança
de que você me encontre em você dissolvida, diluída de mim,
sem as impurezas que te infeccionam.


07/10/2014

Music of the day

"versos meus
me são tão caros
que por costume
prefiro calá-los
à superfície
a poesia
desprovida de harmonia
deita palavras estranhas
na pena simulada
computador
as falsas luzes ardem
elétricas
iluminando
idéias vãs
enebriando
as mentes
dos novos poetas
que faltam à paisagem
que jejuam da benção solar
e a natureza
órfã de contemplação
agoniza
e agita
com seus ventos
e tremores
[ignis natura renovatur integram]
arma-te de teus versos e vem
que a alma ardente
da poesia
renova e reluz
arredia
rebelde
ao gosto mundano
de sabores azedos
profanos
inférteis
por natureza
castrados na raiz
essência"
Fúria Marina, Grupo Voz