14 de ago de 2012

Relation chips

Não existem, quase, mais relações; existem projetos. 
Ontem ouvi um maluco do catarse.me - rede de financiamento colaborativo do Brasil - falar, durante um Seminário Avançado sobre Crowdfunding e produção midiática na área cultural, sobre os projetos que passam por eles, e da importância de terem começo, meio e fim. Sua finitude viabiliza o mapeamento do sucesso e do alcance dos objetivos traçados. 
Penso que essa característica migrou para as relações, especialmente aquelas fora do seio familiar; neste caso, as pessoas se suportam e se descobrem a cada adversidade, em nome da segurança (se é bom ou ruim... é um fato!).  
Nas demais esferas da vida social, há amigos que se vão quando acaba um curso, um "projeto", mas que deixam aquela saudade gostosa e aquela única foto, que você guarda como se tivesse tirado ontem;
há amigos que se vão em alguma situação mal resolvida e que nos deixam consternados, sempre com aquela sensação de que, como em um sonho, tudo irá se resolver naquele discurso pronto que, um dia, poderá ser dito e esclarecido em uma garrafa de Serra Malte;
e há aqueles que se foram nas asas do vento e deixam muita dor. 

Mas certamente há pessoas cujas relações se desgastam por pura falta de respeito mútuo, falta de paciência em aceitar a diversidade. E isso não é tomar rumos diferentes daqueles que te cercam, isso é sacanagem! Quando tudo aquilo que te encantava no outro vira motivo de questionamento, deve ser porque o projeto acabou, e não bateu as metas!
Como disse o Camelo, brilhantemente em O Vento: "se a gente já não sabe mais rir um do outro, meu bem, então o que resta é chorar". Ou mudar. Não?!?

 

14 comentários:

  1. Pelo jeito isso tem a ver com o seu comentário na última aula, marcha fúnebre, coisa e tal. Pega leve, hein.
    Sobre o post: genial! Você escreve muito bem.

    ResponderExcluir
  2. Valeu, "Rodrigo alemão", pelo elogio! O post não tem a ver com isso. Não conscientemente! Mas bem vindo ao Porão! Tento fazer dele um lugar em que nada faz sentido e tudo pode ser dito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E alguém falou de consciência? Do que serve a razão?

      Excluir
  3. Acho que tenho tentado justificar, com todos as luzes de vela deste Porão, que a razão não serve senão para censurar a criatividade, a liberdade e a beleza das coisas. A consciência é importante nisto. Ela tira as escamas dos olhos. Mas o que é a inconsciência e a emoção para um físico?!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devo ser um físico muito meia-boca mesmo, porque concordo em gênero, número e grau com o que você disse sobre a razão. Agora, não estamos batendo muito nessa definição de consciência, porque pra mim a consciência é uma sucursal da razão.

      P.S.: Essa gatinha aqui do lado é muito simpática.

      Excluir
  4. Acho que só depois me dei conta de que você quis escrever inconsciência no lugar de consciência. Certo?

    ResponderExcluir
  5. Já brincou de cabra cega? suponho que sim. Então imagine uma daquelas crianças que magicamente ignora os apelos desesperados - tanto dos que querem ajudá-lo quanto dos que pretendem encaminhá-lo ao erro - e em poucos passos acerta, firmemente, o alvo. Então, creio que você está quase lá.
    Para mim, há uma linha muito tênue entre consciência e inconsciência. Mas elas não são tão capazes de se aproximar. Quando tomamos consciência do inconsciente, podemos deixar de ser guiados pela razão. Seria isso uma inconsequência? Ou um núcleo atômico da natureza humana?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Já brincou de cabra cega?"
      Muito sutil da sua parte.

      "[...] podemos deixar de ser guiados pela razão. Seria isso uma inconsequência?"
      Não seria isso a verdade mais pura do ser-humano como animal?

      "[...] núcleo atômico da natureza humana?"
      Acho que você quis dizer a mesma coisa que eu disse na afirmação anterior. Só não deveria tentar misturar conceitos científicos com essas coisas.

      Excluir
  6. Ela não é perspicaz, Rodrigo? O nome dela é Morgana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. O nome da gata ou do seu alter ego???

      Excluir
    3. Jamais revelaria o nome do meu alter ego... O nome tem poder.

      Excluir
  7. E nossa "relation chip" vai transcender o mundo virtual?
    A propósito, você lê o email do hotmail que divulgou como forma de contato aqui?

    ResponderExcluir

Éam?!?