26 de nov de 2012

Sinal da Paranoia

Caminhando como quem caminha com os olhos nos pés,
vendo bitucas e cigarros inteiros; vendo um mato rasteiro.
"Do cimento das coisas armadas" camisas de vênus espalhadas.

Um caco, um bilhete rascunhado;
uma nota, um beijo roubado.
Um turbilhão de melodias, semi-fusas;
às portas da percepção, me introduza.

Amalgamando os fragmentos, sou cidadão interplanetário
e quero fazer um amor três por quatro.

Calada no riff, no refrão, no compasso, não é preciso ver pra crer:
"De mim pra você".  




5 comentários:

  1. O amor três por quatro me interessa. Já as camisas de vênus me incomodam...

    ResponderExcluir
  2. As camisas de vênus são vestígios das tentativas. Mas o amor mesmo é inerente e é ação, não reação. Por isso, o amor é o tempo da música; o tema do texto. Ela direciona o compasso e o passo. Resumindo toda a minha prolixidade em sabedoria pura, o amor é "Esse eterno pensar nas coisas eternas que não duram mais que um dia".

    ResponderExcluir
  3. Ou um breve momento, como o momento em que se chega ao topo da montanha-russa, para despencar, numa euforia desesperadora e depois... parar tudo.

    ResponderExcluir
  4. Pois é... Peguei-me pensando nisso. E como é covarde a ausência resposta da descida. Por isso paro no ar ou na terra. E da queda nada quero. Se ventar, é lucro! Mais devaneios deste no próximo post... rs. Obrigado por virem ^^

    ResponderExcluir

Éam?!?