23 de set de 2012

Da clandestinidade e das materializações

Não é de hoje que eu tenho minhas reservas com a coordenação vulgar que os dicionários, em geral, fazem com as palavras. Longe de mim querer exercitar aqui, também, a sintaxe, ou muito menos tentar uma aula magna, que no fundo reforçaria apenas minhas próprias convicções. Alguém já disse que não somos muito além de uma bricolagem de pequenos cacos; ora pontiagudo-arredondados, ora retilíneo-cortantes. Mais do que isso, creio que quando baixamos a guarda e a crista, e nos debruçamos sobre os diferentes contextos e históricos, o aparelho auditivo é capaz de nos conduzir a um plano interessante, que eu gosto de imaginar ser uma espécie de purgatório das ideias; de onde não se pode sair ileso.



Dando a devida importância que dou ao homo loquax, e adepta de Lacan, quando afirma ser a linguagem constituinte do inconsciente, receio haver significados estruturados e legitimados pelos dicionários que aglutinam sentidos opostos. Às vezes, pior: sentidos paralelos, sutilmente semelhantes (do latim antigo semol). Se, somado a isto, encontrarmo-nos decididos a rumar o céu ou o inferno, sem as dores e delícias dialéticas do purgatório, podemos tomar por certo um equivocado norte  (do hebraico semol).

Então, quando o homo loquax transforma-se em homo faber, do que é composta esta alquimia? De verdades feitas reais? De realidade com valores atribuídos? Quantas vezes suas verdades construíram o que você queria? "Tententender a minha ironia alegria, a sombra mostrou o que a luz escondia". 

14 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Que bom que queima com quente e não com aquela que funciona a querosene. Há frutas que se come lento, há outras que se come breve. A mim, sobra-me chama e falta-me vento; não de apagar: vento de espalhar.

    ResponderExcluir
  3. boiei!! rsrs

    a densidades de vcs é incrível! só posso desejar que o espaço necessário para que tudo isso se realize aconteça!

    ResponderExcluir
  4. hahaha Ah, Yuna! Pétalas boiam; pedras afundam...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. outras coisas semelhantes a mim também afundam, mas eu não avacalharia de tal modo o Porão nem esta pobre escrizofrenitora... rs

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Ten. E tertentado está sempre associado a mais uma farpa no alambrado. Que pena eu ser pedra; lamento! Queria ser folha, e girar desritmada no vento.

    ResponderExcluir
  7. Eu não sei. Estou deveras abichornada. Se eu respondi algo que não lhe acrescentou nada, peço sinceras desculpas. Às vezes minha incapacidade intelectual não alcança, sequer, rodapés.

    ResponderExcluir
  8. http://www.youtube.com/watch?v=gUuHtb8NetA

    ResponderExcluir

Éam?!?