29 de dez de 2011

Existe amor em ZL

Ontem, 28 de Dezembro, minha avó, em coma há um mês e nove dias, fez a grande viagem.
Eu estava indo visitá-la no hospital quando soube da notícia. Foi difícil saber de sua morte, velar seu corpo e explicar aos meus sobrinhos o que havia acontecido. Mais difícil ainda enterrar a mulher que compartilhou sua fé comigo e foi, por um longo tempo, minha mãe também... mas me surpreendi com o cuidado e o amor das pessoas que ela cativou.


Dona Maria estava internada no Hospital Municipal da Vila Nhocuné, na Zona Leste de São Paulo, onde uma enfermeira, com mais de 20 anos de profissão, viu seu último suspiro e chorou. Após tantos anos vendo esta mesma cena repetidas vezes, sua humanidade foi preservada e suas emoções à tona, como alguém da família.
E falando em família, um amante à moda antiga foi o meu avô, como disse o pastor que realizou o culto fúnebre. Em sessenta anos de casado sempre levava flores à minha avó e nunca se aborrecia quando ela comprava produtos caros e inúteis da Polishop. Ele atrasou a cerimônia para lembrar ao regente o hino predileto de minha avó:
 "As ondas atendem ao meu mandar:
Sossegai!
Seja o encapelado mar
A ira dos homens, o gênio do mal:
Tais águas não podem a nau tragar,
Que leva o Senhor, rei do céu e mar,
Pois todos ouvem o meu mandar:
Sossegai! Sossegai!
Convosco estou para vos salvar:
Sim, sossegai!
"

6 comentários:

  1. sua avó foi uma pessoa incrível e seu avô, o último dos cavalheiros.

    ResponderExcluir
  2. lindo texto-homenagem, meus olhos ficaram cheios de lágrimas, como as avós são especiais não é!? elas preservam algo de mágico, lírico, algo como uma fortaleza de fragilidade... tenho a certeza de que a sua vózinha foi muito bem encaminhada e guiada por todo esse amor, de seu coração e das pessoas a sua volta...

    beijinho ;*

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Ana, ambos foram tudo isso e muito mais. Foram meus pais. E ainda o são. Eu não me lembro de você... você os conhecia?

    Yuna, é verdade. Ela foi mais que especial, e eu sempre procurei honrá-la por tudo o que ela era e fez, especialmente por mim, a quem ela não tinha nenhuma obrigação. Obrigada pela força de sempre. Ler seu blog e ver sua mesa, ainda que sem vc por perto, torna tudo mais fácil de enfrentar. Obrigada por existir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que linda!!! obrigada eu!!! só vi agora sua resposta, meu compasso sempre foi assim meio torto, mas aos pouquinhos e ao longo do tempo tudo vai se acertando, cumprimos nossas promessas, lavamos a alma e assim a vida segue. Tenho certeza de que vc sempre foi e continua sendo fonte de orgulho e carinho!! Beijo grande ;*

      Excluir
  4. Juju, obrigada por vir ao Porão! A vó amava vc, sempre perguntava "e quedê a menina de minas gerais?". Qdo vierem a SP, preciso levar vcs para o Vô Celestino ver! Bj

    ResponderExcluir

Éam?!?