16 de jan de 2015

Entre-nuvens



Cai levemente a Chuva, sem pressa de acabar
Beija apaixonadamente dois corpos quentes e desesperados
Deitados no frescor da grama molhada sob o luar

Simples e plenos, como estas rimas de um amor inventado
Dois corações palpitantes que só desejam a eternidade de um momento,
O abraço apertado e a cabeça recostada nos seios

Entre-nuvens a Lua sorri, observando com olhos atentos
Do alto de sua solidão a Lua também tem seus desejos
Inveja os dois corpos abraçados, sem pensar nem agir

Somente esperançosos por outros momentos na Chuva, sob sua luz
E deseja que vivam sem medos e que o Futuro lhes venha também a sorrir
Para que a vida faça sentido, e seus corpos continuem a se amar

(Roran, 2014)

*Este poema foi escrito por um leitor do blog Torre no Porão. Roran é um pseudônimo.
Se você também deseja publicar, envie seu texto para tabs.bolachas@gmail.com. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Éam?!?